Como mudei a perspectiva de olhar para o mundo e para mim

Tempo de leitura: 3 minutos

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp

O ano passado teve um grande impacto em mim, principalmente por uma coisa: ME310.

A maioria das pessoas não sabe o que é, a pergunta mais frequente é: “ME310? O que é isso?”

O que é o ME310?

ME310 é derivado de Mechanical Engineering 310 (Engenharia Mecânica 310) de um curso da Universidade de Stanford, é também o nome que identifica a pós-graduação que frequentei no Porto que também faz parte da Sugar Network, uma rede global que reúne alunos multidisciplinares de diferentes universidades prontos a resolver verdadeiros desafios de desenvolvimento de produto.

Vou partilhar a minha experiência neste “trabalho a tempo inteiro” que fez da Porto Design Factory a minha segunda casa durante 9 meses.

Global Kick Off do ME310 na Porto Design Factory

As primeiras semanas foram intensas, repletas de exercícios que nos levaram a perceber que tipo de mentalidade devemos ter para o resto do ano que se iniciava. Definitivamente foram semanas intensas onde a metodologia com a qual estávamos a trabalhar foi apresentada: Design Thinking, uma metodologia focada no utilizador, nas suas necessidades e desejos. Também nos foram colocados pequenos desafios que além de nos estimular para ir ao encontro do mindset que se pretendia, permitiu-nos fazer team building para conhecer melhor as pessoas que estariam conosco nos próximos meses e ao mesmo tempo também serviram para a equipa docente analisar cada elemento da “turma”, de forma a criarem as equipas que iriam trabalhar nos desafios que as empresas parceiras tinham proposto.

As equipas eram uma espécie de startup, onde tínhamos a responsabilidade de enfrentar o desafio, investigar, prototipar, recolher resultados e desenvolver uma solução para corresponder às necessidades dos utilizadores.

Este curso mudou a minha perspectiva de olhar para o mundo e para mim. O curso é baseado em projetos, na paixão, é multicultural, interdisciplinar, prático… completamente o oposto do sistema tradicional a que estamos habituados. Não há pedestal para o professor, não há sala de aula com mesas e cadeiras enfileiradas e o professor não está todos os dias com um projetor a ditar a matéria. Os ambientes são criados pelos alunos, há conversas entre alunos e os professores no sofá, o professor não é detentor do conhecimento absoluto e os alunos são incentivados a questionar e discutir as opiniões trocadas.

Para mim foi algo que me fez crescer cada mais rápido e a maior diferença é que posso olhar para trás e perceber algumas dessas diferenças. Nestes 9 meses li e escrevi muito mais do que quando me licenciei, pois a forma como procuramos o conhecimento para alimentar o projecto é através da nossa curiosidade e ambição.

Todos os dias nos desafiamos e isso acontece por diversas razões:

  • todos os dias somos forçados a sair da nossa zona de conforto
  • estamos a trabalhar numa área a que não estamos acostumados
  • não estamos acostumados a questionar o que nos dizem
  • temos de fazer pesquisas para poder entender o cliente melhor do que ninguém
Öbot Workshop no IdeaSquare, CERN

Mas a verdade é que se o curso não fosse tão intenso como é, ninguém ficaria tão apaixonado por ele. Obviamente essa paixão é o que nos faz querer fazer mais e ao mesmo tempo é o que nos pode deixar vidrados por algo e essa pode não ser a melhor opção, portanto nunca “te apaixones” pelo seu trabalho.

Fracasso é uma palavra muito usada nesta metodologia e achamos que já sabemos o seu significado, mas a verdade é que só a entendemos depois de falhar algumas vezes e superar a nossa frustração. É verdade que há espaço para falhar, mas tem de ser com o objetivo de extrair informações úteis para o projeto e aprender algo com ele.

Algo que nos ajuda a entrar nessa mentalidade é que nunca se fala de notas durante o curso. Isso faz-nos esquecer que as notas existem e acaba por nos fazer trabalhar mais, pois não sentimos a pressão da nota e acabamos por nos divertir e dar mais de nós. O medo de falhar desaparece.

Presenting our project to our corporate sponsor at Porto Design Factory
A apresentar o projeto ao nosso patrocinador corporativo na Porto Design Factory

Posso dizer que tive a oportunidade de trabalhar com uma equipa da Austrália, com 11 horas de diferença, o que significava que tínhamos de adotar métodos para nunca comprometer o trabalho.

Então, enquanto alguns dormiam, outros trabalhavam no projeto. Essa experiência permitiu-me adquirir novas habilidades de comunicação intercultural, seja pessoalmente ou via skype. Nem sempre foi fácil porque quando não conseguimos analisar a linguagem corporal e ler nas entrelinhas o que as pessoas falam, não temos todas as informações habituais para uma boa comunicação. Isso significa que às vezes tínhamos que ser designers, gestores, psicólogos ou especialistas em comunicação, o que nos levou a desenvolver e melhorar as nossas habilidades pessoais mais do que qualquer outro curso que já fiz.

Portanto, se achas que o sistema educacional não se encaixa no que desejas, tenta mudar não só a tua atitude, mas também procurar outras formas de aprender. Procura conhecimento, mostra-te curioso, aceita novas experiências e nunca dês tudo por garantido, procura sempre levantar questões para obter respostas que nem sabias que precisavas.

Love,
Joana

Faz parte da minha comunidade.

Recebe atualizações no teu email sobre sustentabilidade, impacto social e inovação.

Este site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Ao continuares a navegar, é considerado que aceitas a sua utilização.